2.12.14

Céus Verdes do Brasil inova tráfego aéreo

Tecnologia permite traçar a melhor rota, ganhar pontualidade e economizar combustível

 Dados de aproximação de voos na terminal São Paulo: aeroportos de Congonhas, Grarulhos e Viracopos. A análise de dados desenvolvida no Centro de Pesquisas no Rio é eficiente e robusta o suficiente para processar quantidades massivas de dados reais de aero (Foto: Divulgação/GE)

No ano de 2013, aeroportos brasileiros registraram nada menos que 2,3 milhões de operações de pousos e decolagens, segundo dados oficiais da Infraero. Uma cifra que tende a aumentar, à medida que mais pessoas tenham acesso ao transporte aéreo: o setor deve crescer anualmente cerca de 6,5% na próxima década. Por isso, tornar essas operações mais eficientes é fundamental para economizar custos, garantir mais segurança e poupar tempo do passageiro. Para alcançar esses objetivos, nasceu o projeto Céus Verdes do Brasil, parte de um amplo esforço colaborativo entre órgãos governamentais, empresas e pesquisadores – uma combinação em que todos saem ganhando, sobretudo a sociedade, que passa a usufruir dessas inovações em seu cotidiano.

Céus Verdes é uma parceria do Brazil ATM Joint Research, coordenado pela GE Aviation, e o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), subordinado ao Ministério da Defesa e responsável pelo setor. A esta parceria se juntaram empresas aéreas Gol e Azul, a Associação Brasileira de Empresas Aéreas (ABEAR), Secretaria de Aviação Civil (SAC), Infraero, Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e Petrobras CENPES, entre outros. Seu objetivo é analisar e melhorar os aeroportos, o controle de espaço aéreo e as operações aéreas no Brasil, o que vai afetar positivamente milhares de passageiros a cada dia e ajudar as companhias aéreas a se tornarem mais eficientes.

A plataforma Flight Analytics da GE Aviation utiliza modelos operacionais detalhados de espaço aéreo, aeroportos e aeronaves para avaliar o histórico de eficiência das operações de voo e identificar áreas potenciais de melhoramentos e de ganhos de eficiência. 

A primeira fase do projeto concentra-se na implantação da Performance de Navegação Requerida (RNP, na sigla em inglês), projetada pelo DECEA com a colaboração da GE Aviation e Centro de Pesquisa da GE no Brasil e está prevista para ocorrer em dez aeroportos do Brasil nos próximos cinco anos. A tecnologia permite que aeronaves voem rotas definidas com precisão, sem depender de auxílios à navegação de rádio terrestres, ajudando a reduzir atrasos, consumo de combustível e ruído, além de aumentar o desempenho e dar maior precisão aos procedimentos.

Tendo a parte de análise de dados reais desenvolvida pelo Centro de Pesquisas da GE no Brasil, o programa começou com o mapeamento do espaço aéreo do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro: seguindo as diretrizes estabelecidas pelo DECEA, dados coletados de aeronaves são analisados pela GE e discutidos em um forum colaborativo que também inclui as linhas aéreas, ANAC, SAC, entre outros. Esta análise permite a elaboração de aproximações mais otimizadas, comparando as operações de pouso convencionais com aquelas utilizando a tecnologia de RNP estudadas no programa Céus Verdes do Brasil.

Abaixo, vemos o resultado de mais de cinco meses de coletas de dados relativos às abordagens convencionais (em azul) para o Santos Dumont, enquanto em vermelho podem ser vistas 36 abordagens que utilizam a tecnologia RNP-AR do programa Céus Verdes do Brasil, demonstrando visualmente como é possível obter variabilidade menor  e trajetória de voo encurtada para economizar combustível e tempo nos pousos.



“A tecnologia RNP permite traçar uma espécie de ‘túnel virtual’ no espaço aéreo, no qual o avião deve se manter para obter essas vantagens”, explica Lucas Malta, coordenador do programa de aviação no grupo de sistemas inteligentes do Centro de Pesquisas da GE. Inicialmente se concentrando nas operações de pouso, a tecnologia RNP da GE já obteve certificado do governo brasileiro. E duas empresas aéreas já aderiram ao programa, assinando em 2013 contratos para a sua adoção: a Gol e a Azul linhas aéreas. Outras empresas também analisam a possibilidade de se incorporar à iniciativa.

Os resultados falam por si: desde a adoção dessa tecnologia, as operações de pouso da Gol no Santos Dumont, por exemplo, encurtaram as rotas em 2.046 km por semana, economizaram 65,6 kg de combustível por voo e deixaram de emitir 56 toneladas de CO2 por semana.

Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=PyBkmC6SC0c

Fonte: http://epocanegocios.globo.com/Caminhos-para-o-futuro/Transportes/noticia/2014/11/ceus-verdes-do-brasil-inova-controle-de-trafego-aereo.html


A GRANDE QUESTÃO QUE NÃO FOI ELUCIDADA NA MATÉRIA:

O RUÍDO DAS AERONAVES FOI CONSIDERADO PARA A DETERMINAÇÃO DAS ROTAS?

ESSAS NOVAS ROTAS AFETARAM MAIS OU MENOS PESSOAS EM SOLO?



3 comentários:

Ulisses Fernandes disse...

Pois é, meu caro Rafael. As decolagens na cabeceira 28 do GIG tornam insuportável a vida de moradores da Ilha do Governador. ANAC diz nada ter a ver com isso e DECEA tece loas ao seu projeto sem lembrar dos pobres humanos que estão em solo. Aguardo resposta do INEA sobre a questão. Depois questiono o MP Federal. Ao menos me "divirto" com as respostas dadas. Cordiais Saudações, Ulisses Fernandes

Rafael Matera disse...

Pois é.
Se um dia quiser compartilhar a "diversão", eu gostaria muito de ver essas respostas!!!

rsrsrsrsrs.......

Um abraço e obrigado pelo comentário.

Ulisses Fernandes disse...

Assim que obtiver resposta do INEA lhe repasso o que já tenho arquivado. Mas lhe digo que a resposta que aguardarei mais ansioso será a do MPF... Se é que vão responder. rs. Os parabéns de sempre pelo blog. Dele sou leitor corriqueiro. Abraços, Ulisses