26.4.15

Os primeiros Boeings de cada tipo no Brasil


b-x

Em 1955 o piloto de teste  da Boeing Tex Johnston executa um roll sobre a cidade de Seattle-USA , demonstrando a resistência e manobrabilidade desta aeronave. Desculpem leitores realmente esta foto não tem nada a ver com a matéria abaixo, mas não me contive em mostra-la, não é fantástico?

Vamos lá para a matéria do título:

A presença da Boeing nos céus brasileiros foi tal nas últimas décadas que se tornou sinônimo de avião, inclusive com gafes jornalísticas como por exemplo no enterro do Cmte.Rolim: um “Boeing da TAM” fez passagem baixa no cemitério (o detalhe é que na época deste evento trágico a TAM só operava Airbus). Fico chateado mesmo é quando leio “Boing”… mas de onde vieram os Boeings? Eles estão no Brasil já há bastante tempo, tivemos por exemplo um Boeing 247 em uma empresa aérea chamada Viação Aérea Bahiana que voava de Salvador para Aracajú e Ilhéus.

Este artigo porém focará nos primeiros 7×7 do Brasil, vamos conhecê-los?

BOEING 707

b-1

O quadrimotor que revolucionou o transporte intercontinental chegou ao Brasil pela VARIG, quando recebeu o PP-VJA que foi um Boeing 707-441, recebido pela empresa em 17 de Junho de 1960 e voou até Outubro de 1979. O 707 voou no Brasil por décadas até sair da cena cargueira em 2008 pela BETA Cargo

BOEING 727

b-2

O Boeing 727 foi ícone do transporte doméstico no final dos anos 70/80, operado por todas as 4 empresas da época. O primeiro modelo foi o 727-100 que tem uma história curiosa: A VASP comprou 4 727-100, mas no desenvolver da história optou por trocar por um número igual de 737-200 que atenderiam melhor aos interesses da empresa, coube a VARIG ficar com os aviões, no entanto a CRUZEIRO também encomendou e receberia primeiro, mas uma série de eventos na saudosa empresa azul-turquesa fez com que a VARIG recebesse o avião e o colocasse em serviço. O primeiro 727-100 do Brasil foi o PP-VLD recebido em 23 de Outubro de 1970 – boa data não? – e ficou até o fim de sua vida operacional na VARIG sendo transformado inclusive em cargueiro. A operação do 727-100 foi intensa, com a TRANSBRASIL padronizando sua frota no tipo durante 70 e começo de 80. Já a VASP acabou retomando a vanguarda e foi então a pioneira do 727-200 quando recebeu o PP-SNE em 19 de Abril de 1977. A história dos 727 no Brasil terminou com a versão -100 e -200 sendo operadas pela VARIGLOG ao longo da primeira década deste século.

BOEING 737

b-3

Tipo mais comum de avião em nossos céus, praticamente todas suas versões voaram no Brasil, exceto os -100, -600 e -900. A VASP foi a pioneira em 737-200 e -300. O primeiro 737-200 do Brasil foi o PP-SMA que chegou em 18 de Julho e 1969, apenas em 1974 a VARIG receberia os seus e em 1975 a CRUZEIRO. O avião teve sucesso tal no país que até a FAB o utilizou. Já em 18 de Abril de 1986 chegava o PP-SNS para a VASP era o primeiro 737-300 do país, seguido logo depois por outros na VASP e na TRANSBRASIL (primeiro nesta foi o PT-TEA). A versão alongada, 737-400 estreou no país em 1989 ao dia 23 de Junho de 1989 com o prefixo PT-TEL e sua cauda coloridíssima pela TRANSBRASIL. Fechando a família “classic” como são conhecidos os -300/-400/-500 coube a Rio-Sul em 23 de Outubro de 1992 receber o 737-500 PT-SLN, novo de fábrica, na época batizado de Boeing 737-500 Regional por marketing e foi o cavalo de batalha da disputa entre Rio-Sul e TAM (737-500 vs Fokker 100) na aviação regional nos anos 90.

A Boeing desenvolveu a família NG, Next Generation, composta pelas versões -600, -700 e -800 inicialmente, o -600 sucedia o -500, o -700 o -300 e o -800 o -400, posteriormente veio o -900 e agora já teremos a MAX. Os Boeing 737-700 desembarcaram na America Latina na Argentina, quando a LAPA recebeu o LV-YYC, até então exceto a versão -100, todos primeiros operadores no continente tinham sido Brasileiros. Mas a VARIG recebeu o PP-VQA em 25 de Novembro de 1998 e operou algumas unidades deste avião, cuja imagem é diretamente associada a GOL maior operador de 737NG do Brasil. Já o 737-800 chegou pela VARIG também em 10 de Setembro de 2001 quando o PP-VSA, serial 30571 pousou em Porto Alegre. Este avião se apegou ao Brasil e quando saiu da VARIG foi para a GOL em 2007 como PR-GIP e voou lá até 23 de Janeiro de 2015 quando foi embora da empresa laranja.

Não tivemos 737-900 no Brasil, a GOL (que teve seu primeiro 737-700 PR-GOL e primeiro -800 como PR-GOJ) não optou por esta aeronave e nenhum outro operador se interessou até o momento, quando vemos Airbus A321 voando por aqui, me questiono o porquê disso.

BOEING 747

b-4

O Jumbo dispensa apresentações. chegou ao Brasil na versão -200 pela VARIG como PP-VNA em 30 de Janeiro de 1981, voou pela primeira vez nas cores da extinta empresa gaúcha em 12 de Fevereiro de 1981 em voo especial na rota BSB-CGR com o presidente João Figueiredo a bordo e seguiu CGR-POA-GIG.

Seu primeiro serviço internacional foi no mesmo dia como VARIG 860 GIG-JFK. Ficou no Brasil até 1996 quando foi para a Cathay Pacific (em 1993/1994 voou com matricula Brasileira arrendado para a Aerolineas Argentinas). A VARIG trouxe a versão -300 em 10 de Dezembro de 1985 quando recebeu o PP-VNH, este avião voou até 2000 na empresa, inclusive foi o primeiro jumbo a ter a nova pintura (barriga azul em 1996) e fez passagem baixa no Santos-Dumont (SDU/SBRJ), foi também o último 747 da VARIG. A versão -400 também voou por aqui sendo o primeiro o PP-VPI recebido pela VARIG em 07 de Setembro de 1991, os -400 duraram pouco tempo voaram de 1991 até 1994 pela VARIG que teve no total 3 unidades do maior jumbo até então na época. Não tivemos 747-100 e nem 747-8i. O avião voou apenas na VARIG, mas a TRANSBRASIL quase trouxe uma versão cargueira, o que não se concretizou.

BOEING 757

b-5

O Boeing 757 teve vida curta no Brasil, quis assim a história. Foi encomendado pela TRANSBRASIL junto com os 767-200 em 1983, mas não teve nenhuma unidade recebida por esta empresa, acabou a VARIG no seu momento de crise adotando uma frota de 757 para recompor seus serviços em 2004, precisamente em 4 de Setembro daquele ano a empresa gaúcha recebeu o PP-VTQ, um dos 4 oriundos da Ibéria, voaram 2 anos até em 2006 saírem da empresa. O avião teve unidades cargueiras voando pela VARIGLOG e também a OceanAir teve um exemplar com winglets voando passageiros, o PR-ONF.

BOEING 767

A resposta da Boeing ao Airbus A300 chegou ao Brasil justamente pela primeira empresa a se interessar por Airbus no país: TRANSBRASIL. Em 23 de Junho de 1983 o PT-TAA com asa e detalhes em Azul chegou a Congonhas, isso mesmo em Congonhas, e compôs a frota da TRANSBRASIL até o seu fim, tendo sido desmanchado em Brasilia recentemente. O PT-TAA era da versão -200, a versão -300 voou no Brasil e teve como sua primeira operadora a VARIG que recebeu o PP-VOI em 21 de Dezembro de 1989 que voou na empresa até 2007 quando saiu da companhia. A VARIG e TRANSBRASIL operaram o 767-200/300 em grande número sendo as principais operadoras, atualmente o -300 segue escrevendo sua história no Brasil pela TAM que recebeu inclusive aviões bem novos ex-LAN. Sua versão maior, o -400, não foi operado por nenhuma empresa Brasileira.

BOEING 777b-6

Ah, o T7, nem falo deste avião, ele tira o fôlego, não tem o charme e mística do 747, mas tem uma nacele de motor que é simplesmente o diâmetro de um 737! Pois bem, este gigante seria lançado no Brasil pela TRANSBRASIL que reservou inclusive a matrícula PT-TGA para ele, de acordo Omar Fontana o TG era de THE GIANT, mas acabou foi a VARIG recebendo o avião em 02 de Novembro de 2001 com matricula PP-VRA, batizado Otto Meyer, fundador daquela empresa. Poucos sabem mas VASP teria 777 para substituir MD11, mas o avião não veio (assim como tantos outros prometidos pela VASP na Era Canhedo). Já a TAM trouxe a versão -300 do T7, com o PT-MUA recebido em 17 de Agosto de 2008

BOEING 787

b-7

Bom, o 787 por aqui não há ainda, tivemos até encomenda da OceanAir, mas transferido para a Avianca Colombia. Comentou-se em TAM, GOL, VARIG (a da GOL) tendo este avião e até a Azul foi cogitada, mas o moderníssimo 787 não deu as caras pelo Brasil com bandeira do país e sinceramente não vejo possibilidade disso em futuro próximo.

O Brasil teve praticamente todos os Boeings da era 7×7, exceto o 717 (que os fãs mais “fanáticos” dizem não ser um Boeing, afinal era o MD95). Não tivemos todas as versões como por exemplo não houve 737-100/600/900, 757-300 e outros citados, enfim, Boeing no Brasil é sinônimo de avião, hoje (Abril de 2015) no país operam quase 200 Boeings desde o 727-200 cargo até o 777-300 paxs na TAM.
São quase 150 737NG voando pela GOL, 11 clássicos 727-200F na RIO e TOTAL.

Sobre o Autor

Alexandre Conrado, Piauiense, amando e pesquisando aviação comercial desde 1982, dedicando-se profissionalmente em Aeroportos e Manutenção há 14 anos. É apaixonado por hélices, poucos jatos e música eletrônica. Consultor na ACW Consultoria em Aviação e Hotelaria

Fonte: Avioes e Musicas

Um comentário:

Clayton Roberto disse...

Excelente matéria...

Eu me lembro que a primeira vez que eu vi um Jumbo na minha vida foi no Galeão, eu estava em um ônibus vindo de Volta Redonda, passando pela Linha Vermelha, eu devia ter uns 6/7 anos de idade, isso era em 96 ou 97, lembro de ter visto aquela calda azul gigante com aquela estrela amarela linda, Varig né, e tinha também um 747 da Swiss Air, lembro de ter visto isso, a estrela e a cruz branca, e eu me lembro direitinho, aquela imagem me marcou, ali eu tive certeza de que eu era apaixonado por aviões...

Lamento muito por não termos atualmente um 747 na frota de alguma Cia Aérea Brasileira, tá certo que o 747-4 já está um pouco ultrapassado, mas convenhamos, é um charme né, sonho ainda voar em um Jumbo.

Bem que o Titio David Neeleman podia fazer um agrado aos fãs do 747, colocando-o em sua frota internacional...hehehehe....vai que né....